COMPARTILHAR

É cada vez mais comum a procura por espaços tradicionais que podem ser transformados por completo em uma reforma que deixa o imóvel com tudo o que o cliente sonhava antes de derrubar as paredes.

 

Foi o caso de um apartamento de dois quartos no Rio de Janeiro, com 60 metros quadrados, que virou um amplo quarto-e-sala bem claro e arejado, com cara de casa. O responsável pela transformação foi o arquiteto capixaba Fabiano Ravaglia, que precisou de apenas três meses.

“Da configuração original do apartamento, somente o banheiro social permanece inalterado, além do piso em taco de peroba-do-campo, que foi recuperado”, disse.

 

O antigo quarto, que foi aberto para a sala, agora funciona como sala de TV, mas também pode ser usado como quarto de hóspedes graças a uma grande porta camarão do piso ao teto que permite isolar totalmente o cômodo.

Localizado no andar térreo de uma rua bucólica no bairro da Glória, o imóvel de fundos, que tem vista para uma enorme pedreira com mata, é o lar de um homem solteiro de 48 anos, produtor de teatro e sem filhos.

“Além de integrar num só espaço home office, sala de jantar e estar com TV, substituí as janelas voltadas para a mata por portas de alumínio branco que hoje dão para um confortável terraço projetado por mim. Essa área externa tem parede de tijolinho rústico, piso cerâmico com estampa geométrica retrô e guarda-corpo, também de alumínio branco”, conta Ravaglia.

O hall de entrada dá boas-vindas em clima tropical, graças ao papel de parede que rouba a cena com sua estampa de folhagens que se conecta com o verde da mata ao fundo. A parede principal da área social ganhou revestimento de tijolinho cimentício, em contraponto à parede oposta que tem acabamento liso de cimento queimado.

“Desenhei uma grande estante vazada sobre rodas para separar o home office da sala de estar, garantindo um mínimo de privacidade, mas livre daquela sensação de confinamento”, explica o arquiteto, que optou por manter a unidade estética dos móveis e marcenaria, mesclando madeira freijó com laca cinza.

Outro ponto alto da área social é a iluminação projetada em tubulações galvanizadas aparentes. “Além de evocar o estilo industrial dentro de casa, a iluminação tornou-se um elemento forte na decoração, não só por causa da disposição gráfica dos tubos como também pela escolha da cor preta, que ressalta o caminho deles na parede e no teto”, explica ele.

Na cozinha, as portas dos armários ganharam diferentes acabamentos, mesclando vários tons de verde com madeira clara. Sobre a bancada, chama a atenção o painel de azulejos brancos com desenho geométrico preto. Já a parede preta ao fundo pode ser usada como lousa, ideal para anotar recados e receitas.

No quarto de dormir, a marcenaria sob medida repete os acabamentos da sala. O verde também se faz presente, desta vez na parede atrás da cabeceira e na roupa de cama. “O resultado final foi, certamente, um apartamento com ares de casa”, avalia.

Fotos: Denílson Machado (MCA Estúdio)

Deixe uma resposta