COMPARTILHAR

PÉROLAS

“Aprendi que nas discussões ficar calado é mister. Sempre tem alguém mais burro que a gente para falar primeiro.”
Paulo Bonates, médico psiquiatra.

“As cotas são a única forma de balancear as injustiças.”
Sônia Guimarães, PhD em Física e primeira mulher negra a dar aula no Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA).

“Sou muito feminino e acho isso muito positivo.”
Chay Suede, ator capixaba.

O CASAL Cláudia e Justino Mameri Filho em nossa festa de quinta-feira última
(Cloves Louzada)

Eles nas redes sociais
“God please Help me. Eu oro em inglês porque a ajuda que preciso é em dólar.”
Renata Camargo
***
“A lição sabemos de cor, só nos resta aprender.”
@mariana_godoy, citando trecho da canção “Sol de Primavera”, de Beto Guedes

Temporada de cruzeiros
Desde 2015, a Secretaria de Estado do Turismo conversa com Codesa, Capitania dos Portos e empresas como MSC para que cruzeiros de grande porte voltem a atracar na Ilha. Eles deixaram de parar no Porto de Vitória por conta do tamanho dos navios, que cresceu bastante, dificultando manobras. A Codesa contratou a USP para desenvolver um estudo de viabilidade e analisar as melhores opções. É possível que tenhamos novidades nessa temporada.

AS AMIGAS Roberta Camatta e Juliana Braz Canedo
(Cloves Louzada)

Data especial!
Hoje aniversaria a nossa amada filha Fernanda. Comemora em família e com muito chamego de sua filha Clara, nossa neta anjo. Amém!

Bancada capixaba
Deputados federais e senadores do Estado não estiveram presentes em 493 sessões plenárias do Congresso entre 2015 e 2018. Do total de faltas, 74 não foram justificadas. O levantamento da ONG Ranking dos Políticos mostra ainda que os congressistas capixabas gastaram R$ 17,1 milhões entre cotas e verbas indenizatórias até o presente momento do mandato. Somente com combustível e lubrificantes, os deputados e senadores capixabas gastaram R$ 1,3 milhão.

VICTOR Sarcinelli e Júnior Torezani
(Cloves Louzada)

Sem constrangimentos
Iúna foi o primeiro município do Estado a realizar a alteração do pronome e sexo de transexual no registro civil, sem a necessidade de realizar cirurgia, laudo médico ou autorização judicial. Um jovem conseguiu alterar o seu nome e também mudar o seu gênero para masculino. “É uma reivindicação histórica do movimento LGBT. Isso afeta diretamente o direito de se relacionar, viver e ser reconhecido de acordo com a própria identidade, sem passar por constrangimentos”, disse o presidente do Sinoreg-ES, Márcio Valory.

Refugiados
Apenas 86 das 374 vagas destinadas aos refugiados nos cursos de graduação de 11 universidades brasileiras, incluindo a Ufes, foram preenchidas neste ano, segundo dados das Nações Unidas. Atualmente, o Brasil tem 10.145 refugiados reconhecidos, e 86.007 solicitações de reconhecimento em trâmite. Eles vieram de países como Haiti, Síria, Congo e Benim.

Salário menor
A maioria dos desempregados brasileiros (86%) aceitaria um salário menor que o do seu último emprego, de acordo com a consultoria Robert Half. Foram entrevistados 1.161 profissionais com mais de 25 anos e formação superior. O tempo de afastamento também é determinante na decisão, segundo Ricardo Basaglia, diretor-executivo da Page Personnel. “À medida que a espera se prolonga, a pressão financeira aumenta”, afirma.

COMPARTILHAR
Artigo anteriorColuna 29 de setembro
Próximo artigoColuna 01 de outubro
Foto de perfil de Maurício Prates
Maurício Prates nasceu em Cachoeiro de Itapemirim e a comunicação em sua vida começou muito cedo. Aos 11 anos, em 1954, produziu o seu primeiro jornal. Um jornalzinho que falava da escola, dos estabelecimentos de ensino professor Alfredo Herkenhoff. Foi até a papelaria Vieira e pesquisou com Geraldino Poubel o preço da publicação e em seguida percorreu o comércio para vender anúncios e cobrir a despesa do seu primeiro jornal. Não ganhou nada. Só mesmo experiência. No mês seguinte a história mudou e além de publicar o segundo número do jornal, ainda sobrou dinheiro para comprar um sapato novo, ir ao cinema e tomar, de uma só vez, três sorvetes na " Polar", a mais tradicional sorveteria da cidade. E não parou mais. E de lá para cá, deu no que deu! Maurício é bacharel em direito, mas nunca exerceu advocacia. É jornalista e radialista com registros no ministério do trabalho. Tudo guardado em sua carteira de trabalho. Uma única carteira, assinada somente por empresas do grupo João Santos. Sua magistral universidade de vida. O primeiro contrato de trabalho foi na fábrica de cimento, como auxiliar administrativo; depois foi para o Jornal Arauto - que circula desde de 1976 sob sua direção -. em 1978 foi contratado pela Nassau Editora Radio e TV e montou A Tribuna fm Cachoeiro. Em 1982 veio para Vitória dirigir a rede A Tribuna onde ficou até 1998, quando fez um acordo com A Tribuna, fechou o seu contrato de trabalho e lançou a sua coluna diária em A Tribuna, no dia 08 de outubro de 1998. "O grupo João Santos é, e sempre será uma extensão na minha vida, não somente profissional, mas principalmente pela formação de minha vida", diz Maurício Prates para quem quer ouvir.

Deixe uma resposta