COMPARTILHAR

PÉROLAS

 

“Não é chique fazer regime no Natal. Coma e seja feliz!”

Glória Kalil, consultora de moda e comportamento.

 

“Iriam liberar bandidos.”

Carlos Fernando Mazzoco, procurador eleitoral auxiliar do Ministério Público Federal no Espírito Santo, afirmando que a decisão do ministro do STF Marco Aurélio Mello de conceder liberdade a presos condenados em segunda instância “seria péssima para a sociedade e ótima para os bandidos”.

 

“Temos Papai Noel que pula corda, dança, ilumina, senta, fala e que faz as coisas mais improváveis.”

Adalberto Lopes, empresário e ex-jogador de futebol que, junto com a mulher, Tica, coleciona mais de 490 Papais Noéis de várias partes do mundo.

 

“O sistema de Justiça precisa ouvir mais as mulheres.”

Emily Marques Tenorio, que lançou em Vitória livro sobre a Lei Maria da Penha e medidas de proteção.

SIMPLESMENTE Eliane Bianchi. E toca a vida!
(Cloves Louzada)

 

 

Eles nas redes sociais

“Acabei de fazer meu orçamento 2019 e cheguei à conclusão que terei menos dinheiro do que pretendo gastar.”

@manfil

***

“Queria tá igual a pátria agora… sendo amada”

@thateuss


 

NOSSA DICA

 Tim-tim!

O champanhe Veuve Cliquot é uma dica gostosa, de coloração palha, com borbulhas finas e intensas, aromas finos de maçã, pera madura, flores brancas, brioche e tostado. Os somelliers gostam de ir direto ao ponto, com frases de efeito – e bota efeito nisso! –, tipo: “Em boca apresenta muita elegância, com final longo e mineral”.

Foi em 1805 que Nicole Barbe Ponsardin, a viúva Clicquot, assumiu o comando da supergrife de bebidas e, ao longo de sua história, mostrou talento e perícia na Maison, fiel até os dias de hoje à tradição do bom champanhe. Boas festas!

 

BRINDE com o champanhe Veuve Cliquot
(Divulgação)

 

 

O velhinho sempre vem!

Muitas lojas da Grande Vitória vão abrir excepcionalmente neste domingo em horário especial de Natal. Afinal, Papai Noel não pode se esquecer de ninguém.

 

Muito dinheiro!

O brasileiro pagou este ano R$ 2.000.000.000.000,00 em impostos. Para quem não está habituado com tantos zeros, são nada menos do que 2 trilhões de reais! Essa dinheirama toda foi arrecadada por União, governos e municípios, mas de retorno mesmo, a população viu foi muito pouca coisa. Muitos governantes e administradores fazem seu papel na divulgação da aplicação dos recursos, mas ainda falta transparência especialmente do governo federal e legislativo nacional – um verdadeiro ralo de dinheiro! Quem usufrui de nosso dinheiro deve nos prestar contas com clareza!

 

Gambiarra

Muitas vezes, um pequeno reparo na residência pode se transformar, com o passar do tempo, em uma grande – e cara! – reforma, por não prestarmos atenção aos sinais. O empreiteiro Jânio Ahnert, especialista no assunto, cita como exemplo uma manchinha que aparece na parede e que se alastrou como uma infiltração grave, podendo prejudicar os andares de baixo. “O ideal é fazer revisão todo ano, que inclui vazamento em torneiras, pias entupidas e rede elétrica mal distribuída, que faz elevar a conta e a sobrecarga de energia. Vemos muita gambiarra por aí”, alerta.

 

EM FAMÍLIA Izabela Cerutti com a irmã Geraldine e a sobrinha Ana Luiza Cerutti Dutra
(Cloves Louzada)

 


Batom no espelho

Quando você faz um pedido gentilmente à portaria e à governança do hotel e, passadas mais de 30 horas, ninguém te atende, o que você faz? Leitor pegou um batom de sua mulher e deixou o pedido, novamente, só que escrito no espelho. “Esse método, novo para mim até então, é supereficaz. Deu resultado imediato. Trocaram a lâmpada queimada, desentupiram a pia e deixaram o espelho brilhando”, disse.

 

Princípios da liderança

Um líder transformador busca promover o engajamento de um grupo de pessoas em torno de uma visão que parece impossível de ser executada, acredita o capixaba Fabio Coelho, presidente do Google Brasil. “Ele consegue ter sucesso se conseguir criar as condições para que essa visão vire realidade. Uma vez, li que as pessoas seguem líderes que têm quatro ingredientes: confiança, estabilidade, compaixão e esperança”, conta.

 

Amo Cachu

Um grupo formado por profissionais de diversas áreas lançou o movimento “Eu Amo Cachoeiro”, para propor políticas públicas e gerar desenvolvimento na Capital Secreta. Os estudos começam no próximo ano. O líder, Bruno Ramos, diz que o objetivo é tornar Cachoeiro novamente polo regional e referência nacional, baseado no tripé “more-invista-visite”, a exemplo das oportunidades perdidas por não explorar as boas possibilidades que ser o berço do cantor Roberto Carlos representa.

 

Toalha no Uber

Motoristas de Uber pedem para que os passageiros colaborem na manutenção dos carros durante a temporada de praia. “Peguei uma passageira na praia que estava com duas crianças, e todos eles molhados. A gente pede para que as pessoas saiam da água um pouquinho antes, para dar tempo de secar, ou então que pelo menos tenham uma toalha para forrar o banco. Precisei encerrar o trabalho no dia, porque não poderia pegar outra corrida com o estofado molhado”, contou motorista. Alô, praieiros! Não custa nada!

 

Números dolorosos

No ano passado, o Brasil tinha 5,253 milhões de crianças de até 14 anos vivendo em situação de miséria – suas famílias as sustentavam com uma renda domiciliar per capita de apenas R$ 140,00 por mês. Isso significa um aumento de 10% na comparação a 2016, o correspondente a 470 mil crianças a mais, segundo o IBGE. No Espírito Santo, o crescimento no período foi de 30%. Dureza!

 

Mitos da corrida

A corrida é um dos esportes mais populares no Brasil, mas ainda há muitos mitos a respeito da modalidade. O coach de corridas Nei Robson explica que um dos mais comuns é acreditar que correr agasalhado, para suar mais, ajuda a perder peso. “O suor não está relacionado à gordura, mas sim à hidratação. Quem se exercita agasalhado para suar mais está, na verdade, perdendo mais água. A eliminação excessiva de líquidos provoca a perda de eletrólitos, como o sódio e o potássio, causando câimbras, fadiga e outros prejuízos ao organismo”, destaca.

 

Avanços trabalhistas

As relações de trabalho passaram por avanços importantes, trazidos pela lei da terceirização e reforma trabalhista. O desafio atual é efetivar a implementação dessas mudanças. Adriano Jannuzzi Moreira, mestre em Direito Empresarial, aponta algumas: trabalho intermitente e teletrabalho; sócio retirante; parcelamento das férias; contratação de autônomo; padrão de vestimenta e equiparação salarial.

 

Especialista em chifres

Há 20 anos, o artesão capixaba Geraldo Agrizzi transforma chifres de boi em berrantes, instrumento de sopro usado para conduzir o gado. Entre seus clientes estão os artistas Sérgio Reis e Edson e Hudson. Ele diz que são necessários de três a quatro chifres para fazer uma única peça. “É uma profissão difícil, que demanda muitas técnicas, além de olhos treinados e mãos habilidosas. Um chifre é diferente do outro” – hein? –, disse ele, que aprendeu o ofício com o pai.

 

 

COMPARTILHAR
Artigo anteriorColuna 22 de dezembro
Próximo artigoBRINDE com o champanhe Veuve Cliquot
Foto de perfil de Maurício Prates
Maurício Prates nasceu em Cachoeiro de Itapemirim e a comunicação em sua vida começou muito cedo. Aos 11 anos, em 1954, produziu o seu primeiro jornal. Um jornalzinho que falava da escola, dos estabelecimentos de ensino professor Alfredo Herkenhoff. Foi até a papelaria Vieira e pesquisou com Geraldino Poubel o preço da publicação e em seguida percorreu o comércio para vender anúncios e cobrir a despesa do seu primeiro jornal. Não ganhou nada. Só mesmo experiência. No mês seguinte a história mudou e além de publicar o segundo número do jornal, ainda sobrou dinheiro para comprar um sapato novo, ir ao cinema e tomar, de uma só vez, três sorvetes na " Polar", a mais tradicional sorveteria da cidade. E não parou mais. E de lá para cá, deu no que deu! Maurício é bacharel em direito, mas nunca exerceu advocacia. É jornalista e radialista com registros no ministério do trabalho. Tudo guardado em sua carteira de trabalho. Uma única carteira, assinada somente por empresas do grupo João Santos. Sua magistral universidade de vida. O primeiro contrato de trabalho foi na fábrica de cimento, como auxiliar administrativo; depois foi para o Jornal Arauto - que circula desde de 1976 sob sua direção -. em 1978 foi contratado pela Nassau Editora Radio e TV e montou A Tribuna fm Cachoeiro. Em 1982 veio para Vitória dirigir a rede A Tribuna onde ficou até 1998, quando fez um acordo com A Tribuna, fechou o seu contrato de trabalho e lançou a sua coluna diária em A Tribuna, no dia 08 de outubro de 1998. "O grupo João Santos é, e sempre será uma extensão na minha vida, não somente profissional, mas principalmente pela formação de minha vida", diz Maurício Prates para quem quer ouvir.

Deixe uma resposta