A unidade móvel do Hemocentro do Espírito Santo (Hemoes) tem agenda repleta em setembro. O ônibus de coleta externa passará pelas cidades de Santa Maria de Jetibá, Serra e Muniz Freire. Além da coleta de sangue, os doadores também poderão realizar o cadastro para doação de medula óssea.

A primeira parada será em Santa Maria de Jetibá, no próximo dia 10, com atendimento das 7h15 às 12h30, na praça Florêncio Augusto Berger.

Já nos dias 17,18 e 19, o ônibus estará na empresa ArcelorMittal Tubarão, na Serra, em ação voltada para os funcionários da empresa.

E no dia 27, será a vez de Muniz Freire receber o veículo, que estaciona no Parque de Exposição das 7h30 às 12h30.

Para ser doador é preciso ter entre 16 e 69 anos. A primeira doação deve ser feita obrigatoriamente até os 60 anos. Menores de 18 anos só podem doar com a autorização dos responsáveis legais. Todo doador deve apresentar documento original com foto.

Qualquer cidadão pode requerer a unidade móvel do Hemoes para seu bairro ou município. Basta encaminhar um e-mail para hemoes.coletaexterna@saude.es.gov.br.

Após o recebimento da solicitação será realizada uma visita técnica de avaliação pela equipe do Hemoes e, se o local atender aos requisitos necessários, a equipe marcará o dia para a ação.

Programação da unidade móvel do Hemoes:

– 10 de setembro

Praça Florêncio Augusto Berger, Santa Maria de Jetibá, das 7h30 às 12h30

– 17 a 19 de setembro

ArcelorMittal Tubarão, na Serra, das 8h30 às 15h30

– 27 de setembro

Parque de Exposição de Muniz Freire, das 7h30 às 12h30

Artigo anteriorColuna 02 de setembro
Próximo artigoColuna 03 de setembro
Maurício Prates nasceu em Cachoeiro de Itapemirim e a comunicação em sua vida começou muito cedo. Aos 11 anos, em 1954, produziu o seu primeiro jornal. Um jornalzinho que falava da escola, dos estabelecimentos de ensino professor Alfredo Herkenhoff. Foi até a papelaria Vieira e pesquisou com Geraldino Poubel o preço da publicação e em seguida percorreu o comércio para vender anúncios e cobrir a despesa do seu primeiro jornal. Não ganhou nada. Só mesmo experiência. No mês seguinte a história mudou e além de publicar o segundo número do jornal, ainda sobrou dinheiro para comprar um sapato novo, ir ao cinema e tomar, de uma só vez, três sorvetes na " Polar", a mais tradicional sorveteria da cidade. E não parou mais. E de lá para cá, deu no que deu! Maurício é bacharel em direito, mas nunca exerceu advocacia. É jornalista e radialista com registros no ministério do trabalho. Tudo guardado em sua carteira de trabalho. Uma única carteira, assinada somente por empresas do grupo João Santos. Sua magistral universidade de vida. O primeiro contrato de trabalho foi na fábrica de cimento, como auxiliar administrativo; depois foi para o Jornal Arauto - que circula desde de 1976 sob sua direção -. em 1978 foi contratado pela Nassau Editora Radio e TV e montou A Tribuna fm Cachoeiro. Em 1982 veio para Vitória dirigir a rede A Tribuna onde ficou até 1998, quando fez um acordo com A Tribuna, fechou o seu contrato de trabalho e lançou a sua coluna diária em A Tribuna, no dia 08 de outubro de 1998. "O grupo João Santos é, e sempre será uma extensão na minha vida, não somente profissional, mas principalmente pela formação de minha vida", diz Maurício Prates para quem quer ouvir.

Deixe seu comentário: