PÉROLAS

“Abril será o mês de maior desafio para o capixaba. Peço para que as pessoas fiquem em casa o quanto puderem.”

Eliana Caser, médica intensivista e coordenadora de UTI.

“Os pais delegando educação dos filhos a babá e escolas, agora, estão sendo forçados a ficar em casa e rever seus papéis. Valorizemos mais os encontros, a nossa relação com a família.”

Caco Ciocler, ator, que está movendo empresários a ajudarem quem precisa.

“Era um vazio total e, de repente, comecei a celebrar com as fotos. Confesso que chorei na hora. Senti uma presença forte.”

Padre Teodósio de Aquino, que colocou fotos de fiéis na igreja vazia.

“Com as redes digitais, ganhamos um outro ‘lugar’ para experimentar nossos sentidos.”

José Antonio Martinuzzo, doutor em Comunicação, pós-doutor em Mídia e Cotidiano e professor da Ufes.

THAMA Boldrini e Eduardo Galvêas, à espera do “baby” Pedro, curtiram dias em fazenda em Pedra Azul com a cadela Mel

Eles nas redes sociais

“Seja a pessoa que seu cachorro pensa que você é.”

@AndyLeeman91

***

“Tanta gente brigando por política, e eu só queria comer um churrasco!!!”

@Mlkmartins_real

NOSSA DICA

Inspiração japonesa de Alexandre Birman

O designer de calçados Alexandre Birman apresentou sua coleção pre-fall 2020, uma linha intermediária antes da chegada dos lançamentos de alto inverno. Sua inspiração foi em cinco diferentes técnicas orientais – leques, origamis (dobraduras em papel), ukiyo-e (um tipo de xilogravura e pintura japonesa), maki-e (laca japonesa polvilhada com pó de ouro e prata como decoração) e kintsugi (arte de reparar objetos de cerâmica com ouro e metais valiosos para abraçar e valorizar suas imperfeições).

Entre as novidades, estão três novas cores metalizadas das sandálias rasteirinhas Clarita Jelly (dourado, rosé e prata) e uma estilosa bota preta e dourada que remete ao kintsugi, resultando em um belo efeito marmorizado.

BOTA Alexandre Birman remete à técnica oriental do kintsugi
(Divulgação)

Cuidado com queimaduras

O álcool 70% é altamente inflamável, seja na versão em gel ou líquida – que inclusive estava proibida há anos, mas teve a comercialização temporariamente liberada durante a pandemia. O gel é indicado para higienizar as mãos se for preciso sair de casa. O líquido é mais adequado para desinfetar eletrônicos. Em superfícies (maçanetas, puxadores, interruptores, mesas, bancadas e chão), opte por uma solução de 50ml de água sanitária para 1 litro de água. E para limpar as mãos em casa, o melhor é água e sabão. Cuidado ao lidar com o álcool. Nunca passe nas mãos antes de mexer no fogão.

Semana Santa

A Arquidiocese de Vitória publicou uma circular com orientações sobre a Semana Santa, que começa hoje, Domingo de Ramos. Diante da situação da pandemia e restrição de encontros, o arcebispo dom Dario Campos diz que, como a data da Páscoa não pode ser transferida, os ritos serão celebrados mesmo sem a participação dos fiéis e em local adequado. Todos deverão ser informados do horário de início das celebrações para que possam se unir na oração em suas casas. Os meios de comunicação remota podem ajudar.

Protetor facial

Professores do Centro Tecnológico e do Centro de Ciências Exatas da Ufes estão trabalhando em um projeto para a produção de protetores faciais a serem utilizados por profissionais de saúde na pandemia do novo coronavírus. Por enquanto, 100 peças foram feitas nos laboratórios da universidade, mas a proposta é chegar a 150 mil escudos, atendendo uma solicitação da Secretaria de Estado da Saúde. O projeto já conta com parcerias da Findes, das empresas ArcelorMittal e Geocontrol e do grupo capixaba de desenvolvedores ProtetorES.

RAMANA e Cintya Scárdua, filha e mãe sempre juntas
(Cloves Louzada)

Monitoramento inteligente

Inteligência artificial para coibir desmatamento. A solução é do físico americano Topher White, que criou equipamentos capazes de gravar os sons da floresta, enviados para processamento na nuvem por um algoritmo, identificando praticamente em tempo real o barulho de motosserras e maquinário pesado. A iniciativa está sendo implementada na Amazônia. Boa!

Carro parado

Com as pessoas em casa, é preciso lembrar que um carro parado por muito tempo exige alguns cuidados. Lavar o veículo, higienizar o painel com álcool isopropílico, cobrir com uma capa, deixá-lo sobre cavaletes, deixar o mínimo de combustível no tanque e desconectar os cabos da bateria são alguns cuidados de conservação. De vez em quando, ligue o carro na garagem. E prepare-se para encontrar pneus murchos e quadrados após a quarentena.

Prêmio literário

Quatro dos seis livros indicados neste ano ao prêmio Booker Internacional, um dos reconhecimentos literários mais prestigiosos do mundo, foram escritos por mulheres. Entre as indicadas estão a japonesa Yoko Ogawa, por “The Memory Police” (“A Polícia da Memória”); a iraniana refugiada Shokoofeh Azar, com “The Enlightenment of the Greengage Tree” (“A Iluminação da Árvore de Ameixas”); e a mexicana Fernanda Melchor, pelo suspense “Temporada de Huracanes” (“Temporada de Furacões”). O resultado sai em 19 de maio.

Higienize os brinquedos

Se a higienização de objetos infantis já é importante no dia a dia, em tempos de pandemia ela se torna ainda mais necessária. Os brinquedos merecem atenção especial, como alerta o pediatra Jovarci Motta.1“Os que estiverem danificados devem ser desprezados, pois são mais propensos a estarem infectados. Os brinquedos de plástico devem ser limpos com água e sabão neutro. Nos eletrônicos, retire as pilhas ou baterias e higienize com pano umedecido com desinfetante ou álcool 70%. As pelúcias devem ser lavadas com água e sabão”, orienta.

Pijama chique

Já imaginou ir a uma reunião virtual com a camisa de seda do pijama?! Quem pode trabalhar de casa tem escolhido roupas confortáveis e mais simples do que as cotidianas e, com isso, a procura pelos pijamas, robes e tecidos leves vem aumentando. O “loungewear”, que já era uma tendência que permeava a moda há tempos, pode muito bem ser o protagonista de looks para o home office e além.

Artigo anteriorColuna 04 de abril
Próximo artigoColuna 06 de abril
Maurício Prates nasceu em Cachoeiro de Itapemirim e a comunicação em sua vida começou muito cedo. Aos 11 anos, em 1954, produziu o seu primeiro jornal. Um jornalzinho que falava da escola, dos estabelecimentos de ensino professor Alfredo Herkenhoff. Foi até a papelaria Vieira e pesquisou com Geraldino Poubel o preço da publicação e em seguida percorreu o comércio para vender anúncios e cobrir a despesa do seu primeiro jornal. Não ganhou nada. Só mesmo experiência. No mês seguinte a história mudou e além de publicar o segundo número do jornal, ainda sobrou dinheiro para comprar um sapato novo, ir ao cinema e tomar, de uma só vez, três sorvetes na " Polar", a mais tradicional sorveteria da cidade. E não parou mais. E de lá para cá, deu no que deu! Maurício é bacharel em direito, mas nunca exerceu advocacia. É jornalista e radialista com registros no ministério do trabalho. Tudo guardado em sua carteira de trabalho. Uma única carteira, assinada somente por empresas do grupo João Santos. Sua magistral universidade de vida. O primeiro contrato de trabalho foi na fábrica de cimento, como auxiliar administrativo; depois foi para o Jornal Arauto - que circula desde de 1976 sob sua direção -. em 1978 foi contratado pela Nassau Editora Radio e TV e montou A Tribuna fm Cachoeiro. Em 1982 veio para Vitória dirigir a rede A Tribuna onde ficou até 1998, quando fez um acordo com A Tribuna, fechou o seu contrato de trabalho e lançou a sua coluna diária em A Tribuna, no dia 08 de outubro de 1998. "O grupo João Santos é, e sempre será uma extensão na minha vida, não somente profissional, mas principalmente pela formação de minha vida", diz Maurício Prates para quem quer ouvir.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here