Cinemas, museus e galerias na Inglaterra poderão reabrir a partir de 4 de julho, anunciará na terça-feira, 23, o primeiro-ministro Boris Johnson enquanto define quais setores da economia poderão ser retomados e anuncia as conclusões de uma revisão sobre as políticas de distanciamento social.

O Reino Unido está reabrindo gradualmente sua economia enquanto o número de mortes e casos da Covid-19 está em queda. O país está entre um dos mais afetados no mundo pela pandemia.

O último estágio está marcado para começar no dia 4 de julho, e terá alguns locais de maior risco, como os do setor de cultura e artes, retomando suas atividades, embora com regras para manter o distanciamento social.

“Quanto mais abrirmos, o mais é importante é que todos sigam as orientações de distanciamento social. Não iremos hesitar em reverter esses passos se for necessário para impedir que o vírus saia do controle”, disse uma fonte do gabinete de Johnson.

O primeiro-ministro deve falar diante do Parlamento na tarde da terça-feira.

Johnson também irá anunciar as conclusões de uma revisão sobre se a regra de que as pessoas devem manter a distância de dois metros a todo tempo para prevenir a propagação do vírus deverá ser mantida.

Artigo anteriorColuna 23 de junho
Próximo artigoColuna 24 de junho
Maurício Prates nasceu em Cachoeiro de Itapemirim e a comunicação em sua vida começou muito cedo. Aos 11 anos, em 1954, produziu o seu primeiro jornal. Um jornalzinho que falava da escola, dos estabelecimentos de ensino professor Alfredo Herkenhoff. Foi até a papelaria Vieira e pesquisou com Geraldino Poubel o preço da publicação e em seguida percorreu o comércio para vender anúncios e cobrir a despesa do seu primeiro jornal. Não ganhou nada. Só mesmo experiência. No mês seguinte a história mudou e além de publicar o segundo número do jornal, ainda sobrou dinheiro para comprar um sapato novo, ir ao cinema e tomar, de uma só vez, três sorvetes na " Polar", a mais tradicional sorveteria da cidade. E não parou mais. E de lá para cá, deu no que deu! Maurício é bacharel em direito, mas nunca exerceu advocacia. É jornalista e radialista com registros no ministério do trabalho. Tudo guardado em sua carteira de trabalho. Uma única carteira, assinada somente por empresas do grupo João Santos. Sua magistral universidade de vida. O primeiro contrato de trabalho foi na fábrica de cimento, como auxiliar administrativo; depois foi para o Jornal Arauto - que circula desde de 1976 sob sua direção -. em 1978 foi contratado pela Nassau Editora Radio e TV e montou A Tribuna fm Cachoeiro. Em 1982 veio para Vitória dirigir a rede A Tribuna onde ficou até 1998, quando fez um acordo com A Tribuna, fechou o seu contrato de trabalho e lançou a sua coluna diária em A Tribuna, no dia 08 de outubro de 1998. "O grupo João Santos é, e sempre será uma extensão na minha vida, não somente profissional, mas principalmente pela formação de minha vida", diz Maurício Prates para quem quer ouvir.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here